Reconstrução mamária com retalhos

10 informações atualizadas importantes sobre as técnicas de reconstrução autóloga (retalhos):

  1. Para reconstrução da mama, podem ser utilizados tecidos próximos (como da região dorsal) ou à distância. Neste último caso, há necessidade de microcirurgia para reconstruir a circulação sanguínea dos tecidos. As principais áreas doadoras são o abdômen e o dorso.
  2. As cirurgias de retalhos convencionais transplantam músculo associado a pele e gordura. Atualmente, é possível preservar os músculos através de cirurgias mais modernas e menos agressivas. Estes retalhos são transferidos com auxílio da microcirurgia e são considerados o padrão-ouro em reconstrução mamária.
  3. Os retalhos podem ser feitos no mesmo momento da mastectomia (imediatos) ou um tempo depois da cirurgia oncológica (tardio).
  4. Embora os retalhos exijam inicialmente uma cirurgia de maior porte, a longevidade do resultado é bem maior. E as alterações dos tecidos, ao longo do tempo, acompanham a evolução corpo.
  5. Os resultados da reconstrução com retalhos são mais naturais, possuem a mesma temperatura corporal e consistência semelhante às da mama.
  6. Após a mastectomia, há perda de senilidade no local da cirurgia. Alguns retalhos podem ser inervados, o que traz sensibilidade à área reconstruída.
  7. Os retalhos são mais resistentes à radioterapia. Problemas como infecção, retrações, encapsulamento – frequentemente observados em áreas de implantes de silicone com radioterapia – são menos frequentes.
  8. Os retalhos são utilizados para tratar problemas relacionados à reconstrução de mama com implantes de silicone. Assim, pacientes que eventualmente não evoluíram de forma satisfatória podem melhorar a qualidade e a conforto da reconstrução de mama com auxílio dos retalhos.
  9. A utilização de retalhos requer avaliação pré-operatória criteriosa, planejamento com exames de imagem, equipe cirúrgica treinada em cirurgia avançada e cuidados pós-operatórios específicos. Seus riscos e benefícios devem ser informados antes do tratamento.
  10. Pacientes reconstruídas com retalhos autólogos apresentam escores bastante satisfatórios na avaliação de qualidade de vida pós-tratamento.

 

Toda a mulher com indicação de mastectomia deve ter acesso a um profissional especializado para receber informações completas sobre as opções de reconstrução. A decisão final do melhor tratamento será baseada no tipo de doença, nas características da paciente, nas possibilidades de tratamento e na opinião da paciente.

 

Rafael Netto
Cirurgião Plástico, Porto Alegre
Membro Titular SBCP
Fellow UZ Gent, Bélgica

 

Referências:

Seidenstuecker, K., van Waes, C., Munder, B., Claes, K., Witzel, C., Roche, N., … Blondeel, P. (2016). DIEAP flap for safe definitive autologous breast reconstruction. Breast, 26, 59–66. https://doi.org/10.1016/j.breast.2015.12.005

Temple-Oberle, C., Shea-Budgell, M., Tan, M., Semple, J., Schrag, C., Barreto, M., … ERAS Society. (2017). Consensus Review of Optimal Perioperative Care in Breast Reconstruction: Enhanced Recovery after Surgery (ERAS) Society Recommendations. Plast. Reconstr. Surg., 139(5), 1056e–1071e. https://doi.org/10.1097/PRS.0000000000003242

Opsomer, D., Stillaert, F., Blondeel, P., & Van Landuyt, K. (2018 07). The Lumbar Artery Perforator Flap in Autologous Breast Reconstruction: Initial Experience with 100 Cases. Plast. Reconstr. Surg., 142(1), 1e–8e. https://doi.org/10.1097/PRS.0000000000004522

Platt, J., & Zhong, T. (2018). Patient-Centered Breast Reconstruction Based on Health-Related Quality-of-Life Evidence. Clin Plast Surg, 45(1), 137–143. https://doi.org/10.1016/j.cps.2017.08.011

Panchal, H., & Matros, E. (2017). Current Trends in Postmastectomy Breast Reconstruction. Plast. Reconstr. Surg., 140(5S Advances in Breast Reconstruction), 7S-13S. https://doi.org/10.1097/PRS.0000000000003941

 

 


Notice: Undefined variable: nome in /home/infomama/public_html/wp-content/themes/infomama2016/single.php on line 32