Perda de memória durante a quimioterapia

Muitos pacientes queixam-se de perda da memória e de dificuldade em adquirir novos conhecimentos durante o tratamento quimioterápico. O termo científico para esse problema é “chemobrain”, que significa um efeito da quimioterapia no sistema nervoso central, causando sintomas como esquecimento de fatos que ocorreram recentemente (às vezes, há poucos minutos, como “onde coloquei as chaves?”) e outras dificuldades na cognição.

A cognição é o processo de aquisição do conhecimento, o qual depende dos seguintes fatores: percepção, atenção, associação, memória, raciocínio, juízo, imaginação, pensamento e linguagem. O mecanismo pelo qual o câncer e seu tratamento tem impacto na cognição ainda não foi completamente esclarecido. Alguns investigadores propõem que o tratamento do câncer pode mudar a trajetória do envelhecimento cognitivo normal, acelerando este processo. Os estudos neuropsicológicos são bem heterogêneos, mostrando disfunção cognitiva em 13-70% dos pacientes recebendo quimioterapia.

É provável que diversos mecanismos contribuam para o declínio cognitivo em pacientes com câncer, incluindo inflamação, efeitos neurotóxicos diretos dos tratamentos e danos a células do sistema nervoso central. Em uma revisão da literatura de pacientes com câncer de mama, estados fisiológicos como depressão e ansiedade, a presença de fadiga, o fato de estar na menopausa e a coexistência de outras doenças foram considerados importantes para que ocorresse piora na cognição destas pacientes. Fadiga crônica, depressão, e alteração no bem-estar funcional parecem ser preditores de piora na cognição durante a quimioterapia. Além disso, potenciais fatores moleculares podem predizer uma predisposição aumentada a dificuldades cognitivas. Embora ainda preliminar, o alelo da apolipoproteina E4 (APOE4, que tem papel no metabolismo de gordura e tem sido associada a aumento de risco para desenvolver doença de Alzheimer), e o genótipo da catecol-O-metiltransferase (COMT)-valina (envolvida na inativação de neurotransmissores como dopamina, adrenalina e noradrenalina) foram identificados como papel potencial no desenvolvimento de chemobrain.

Uma avaliação com análise estatística de 17 estudos (meta-análise) com pacientes com câncer de mama tratadas com dose padrão de quimioterapia por mais de 6 meses, mostrou que houve declínio cognitivo nas pacientes, primeiramente nos domínios das funções de habilidades verbal e viso-espacial. Memória, velocidade de processamento e função executiva parecem ser mais vulneráveis aos efeitos adversos da quimioterapia.

Testes para avaliar a função cognitiva

Embora não sejam utilizados na prática diária, mas sim em ambientes de pesquisa, alguns testes podem ser aplicados para avaliar aprendizado, memória, velocidade de processamento, e função executiva.

O “Trail Making Test” (TMT) tem propriedades psicométrias adequadas, não é dependente de linguagem e foi traduzido em diversas línguas; mede a velocidade psicomotora e aspectos da função executiva, que são frequentemente prejudicados no momento do diagnóstico do câncer. O teste de aprendizagem auditivo-verbal de Rey (RAVLT) mede memória recente, aprendizagem, suscetibilidade à interferência da retenção após outras atividades e memória de reconhecimento. Tem boa sensibilidade às deficiências de memória encontradas em vários grupos de pacientes, sendo útil para o diagnóstico diferencial nos distúrbios de memória.

Há ainda outros teste, como o “Hopkins Verbal Learning Test-Revised” (HVLT-R) e o “Controlled Oral Word Association” (COWA).

Como manejar o problema

Devido à etiologia do prejuízo cognitivo pós-quimioterapia não ser totalmente estabelecida, a identificação de possíveis fatores modificadores é desafiadora. As intervenções são focadas em estratégias comportamentais e abordagens com medicamentos.

A combinação de tratamentos comportamentais e farmacológicos podem resultar em melhora do funcionamento cognitivo e percepção de melhora na qualidade de vida em sobreviventes de câncer. Os tratamentos farmacológicos avaliados em pesquisas clínicas incluiram psicoestimulantes, epoetina-alfa e Ginko biloba. As estratégias não-farmacológicas avaliadas incluíram treinamento cognitivo e atividade física. Os estudos científicos realizados sugeriram que as estratégias não-medicamentosas parecem funcionar melhor em pacientes com câncer de mama. A educação dos pacientes e de seus companheiros também mostrou ajudar na melhora do estado afetivo, desenvolvendo estratégias para lidar melhor com a piora cognitiva das pacientes.

 

 


Daniela Dornelles Rosa, PhD
Médica Oncologista
Porto Alegre, RS

 


Cristina Martino da Silva
Médica Oncologista
Porto Alegre, RS

 

 

Referências

1.Ahles TA. Brain vulnerability to chemotherapy toxicities. Psychooncology 2012; 21:1141.
2.Hurria A, Somlo G, Ahles T. Renaming “chemobrain”. Cancer Invest 2007; 25:373.
3.Ahles TA, Saykin AJ, McDonald BC, et al. Longitudinal assessment of cognitive changes associated with adjuvant treatment for breast cancer: impact of age and cognitive reserve. J Clin Oncol 2010; 28:4434.
4.Ahles TA, Root JC, Ryan EL. Cancer- and cancer treatment-associated cognitive change: an update on the state of the science. J Clin Oncol 2012; 20.
5.Ahles TA, Li Y, McDonald BC, et al. Longitudinal assessment of cognitive changes associated with adjuvant treatment for breast cancer: the impact of APOE and smoking. Psychooncology 2014; 23:1382.
6.Small BJ, Rawson KS, Walsh E, et al. Catechol-O-methyltransferase genotype modulates cancer treatment-related cognitive deficits in breast cancer survivors. Cancer 2011; 117:1369.
7.Jim HS, Phillips KM, Chait S, et al. Meta-analysis of cognitive functioning in breast cancer survivors previously treated with standard-dose chemotherapy. J Clin Oncol 2012; 30:3578.
8.Hermelink K, Untch M, Lux MP, et al. Cognitive function during neoadjuvant chemotherapy for breast cancer: results of a prospective, multicenter, longitudinal study. Cancer 2007; 109: 1905–13.
9.Brezden CB, Phillips KA, Abdolell M, et al. Cognitive function in breast cancer patients receiving adjuvant chemotherapy. J Clin Oncol 2000; 18: 2695–701.
10.Mar Fan HG, Houede-Tchen N, Yi QL, et al. Fatigue, menopausal symptoms, and cognitive function in women after adjuvant chemotherapy for breast cancer: 1- and 2-year follow-up of a prospective controlled study. J Clin Oncol 2005; 23: 8025–32.
11.Correa DD, Ahles TA. Neurocognitive changes in cancer survivors. Cancer J 2008; 14: 396–400.
12.Benedict RHB. Hopkins Verbal Learning Test—revised: normative data and analysis of inter-form and test-retest reliability. Clin Neuropsychol 1998; 12: 43–55.
13.Reitan RM. Trail making test manual for administration and scoring. Tucson: Reitan Neuropsychology Laboratory, 1992
14.Chan RJ, McCarthy AL, Devenish J, et al. Systematic review of pharmacologic and non-pharmacologic interventions to manage cognitive alterations after chemotherapy for breast cancer. Eur J Cancer 2015; 51:437.


Notice: Undefined variable: nome in /home/infomama/public_html/wp-content/themes/infomama2016/single.php on line 32