Nutrição no câncer de mama

Com o passar dos anos e o avanço da medicina, a equipe multidisciplinar se tornou cada vez mais importante para auxiliar os cuidados do paciente com câncer. Já é bem estabelecido que avaliação prévia e acompanhamento nutricional em qualquer modalidade de tratamento para o câncer pode prevenir desordens nutricionais, melhorar o status nutricional, auxiliar na resposta cirúrgica e na cicatrização, bem como trazer benefícios ao tratamento antineoplásico por atender aos cuidados de minimizar alguns efeitos adversos das medicações.

Como a nutrição pode auxiliar no tratamento do paciente com câncer:

  • Melhorando as alterações do intestino, principalmente a constipação intestinal;
  • Evitando o surgimento de aftas (mucosite), que dificultam a ingestão alimentar;
  • Evitando flutuações de peso.
  • Manejando náuseas e alterações de paladar.

O papel primordial do profissional nutricionista é sugerir e prescrever uma alimentação adequada, que tenha como foco o paciente em sua individualidade, valorizando sua situação clínica, os efeitos do tratamento, as mudanças físicas e respeitando as suas necessidades individuas.

Hoje em dia, se fala muito de alimentação, todo mundo sabe ou quer saber um pouco. A questão que devemos nos preocupar é o que realmente tem de verdadeiro e o que pode ser especulativo ou de interesse comercial.

É compreensível que as pessoas procurem alternativas no intuito de obter melhora ou cura do câncer, mas, muitas vezes, o que achamos que possa ser um benefício, sem conhecimento científico, acaba por vezes não beneficiando e impactando até de maneira negativa na terapia nutricional da doença. Sempre que a informação surgir e gerar dúvida, um profissional da área deve ser consultado.

Conforme o site do Instituto Nacional do Câncer (INCA), “não podemos atribuir a nenhum alimento específico o poder de curar; a alimentação saudável e equilibrada é o melhor suporte de prevenção e de tratamento”.

O que temos hoje claramente descrito e publicado, com revisão agora em 2017 é que o peso saudável e a alimentação adequada individualizada, preconizando as necessidades nutricionais individuais é a recomendação.

Uma alimentação colorida e variada, mantém o organismo mais sadio para enfrentar o tratamento, oferece qualidade de vida e ainda pode prevenir e amenizar alguns sintomas.

Seguem algumas dicas que podem auxiliar:

– Dispor de uma variedade de frutas em 3, 4 ou 5 porções ao dia e variando as cores, pela oferta de vitaminas. As mais cítricas podem causar aftas no período do tratamento, então sugere-se evitá-las nos primeiros 7 dias do tratamento quimioterápico.

– Farináceos devem ser mantidos na dieta, de preferência integrais, como pão com grãos, sementes, arroz e massa integrais, entre outros. Além do alto teor de fibras que melhora o funcionamento intestinal, controla o peso e tem uma oferta maior de minerais.

– Laticínios magros – não necessariamente os desnatados, mas com menor teor de gordura – podem estar incluídos na dieta.

– Higienizar bem frutas e verduras: utilizar 1 colher de água sanitária em 1 litro de água , deixar de molho por 15 minutos e depois lavar bem.

– Verduras e legumes em abundância de forma in natura, refogado ou cozido. Uma porção de crucíferas ao dia se torna favorável, como: brócolis, couve flor, couve, pimentão, repolho entre outros, pelo poder antioxidante.

– Dar preferência aos orgânicos é definidamente um bom cuidado para uma alimentação saudável.

– Ingerir líquidos, preferencialmente água (2 litros por dia). É essencial para a hidratação do corpo e para regular o intestino.

– Evitar o excesso de açúcar e doces na dieta, pois, além de serem calorias vazias, ainda podem aumentar as náuseas; deve-se priorizar um ou dois dias na semana para os excessos.

– As gorduras em excesso devem ser evitadas, pois além de contribuir para elevar níveis de colesterol e triglicerídeos, podem potencializar as náuseas durante o tratamento.

– As carnes, aves e peixes devem completar a dieta, preferencialmente magras, cozidas, assadas, grelhadas ou refogadas. Evitar as cruas ou malpassadas.

– Evitar alimentos processados demais, embutidos, excesso de corantes, refrigerantes, suco industrializados e sal em excesso.

– Acrescentar oleaginosas como: nozes, castanhas, amêndoas – 4 unidades ao dia promovem efeitos benéficos de saúde, além da melhora do humor e da fadiga.

Importante ressaltar que o dia-a-dia de hoje nem sempre nos permite manter uma alimentação adequada e balanceada o tempo todo; permitir-se fugir da regra, ás vezes, sem culpa, também traz benefícios a saúde mental.

 


Ariane Paiva Vieira
Nutricionista
Porto Alegre, RS

Referências
1. Limon-Miro AT, Lopez-Teros T, Astiazaran-Garcia H. Dietary Guidelines for Breast Cancer Patients: A Critical Review.  Adv Nutr 2017;8:613-23.
2. de Oliveira DR, Carvalho EC, Campos LC et al. Nutritional status of patients with breast cancer attended in the Mastology Service of Belo Horizonte’s Hospital das Clínicas in the state of Minas Gerais, Brazil. Ciênc. saúde coletiva 2014;19:1573-1580
3. Dan Linetzky Waitzberg. Dieta, Nutrição e Câncer. Atheneu, 2004, 783p.
4. www.inca.gov.br


Notice: Undefined variable: nome in /home/infomama/public_html/wp-content/themes/infomama2016/single.php on line 32