Linfoma associado a prótese de silicone

Linfomas são tumores malignos do sistema linfático (que acometem os linfócitos B e T, mais comumente causando aumento de linfonodos, ou “ínguas”). O linfoma anaplásico de grandes células é um dos tipos de linfoma de células B que podem ocorrer associados a próteses mamárias de silicone. Embora esse tipo de linfoma seja considerado agressivo, quando associado a próteses mamárias o curso clínico pode variar, sendo muitas vezes uma doença menos grave.

A causa de desenvolvimento do linfoma anaplásico de grandes células em pessoas que possuem implantes de silicone nas mamas parecer ser a indução de um estado de inflamação crônica no local do implante. O estímulo crônico de linfócitos T no local onde há vários antígenos estranhos ao corpo (no caso, provenientes do implante de silicone) poderia ser a gênese do desenvolvimento do linfoma em pessoas com maior suscetibilidade.

É importante deixar claro que esse é um tipo raro de linfoma. Estudo publicado em 2018 sugere o seguinte risco para pessoas com prótese de silicone:
– 1 em 35.000 até os 50 anos;
– 1 em 12.000 até os 70 anos;
– 1 em 7.000 até os 75 anos;

Não se sabe quais são os fatores de suscetibilidade para o desenvolvimento desse tipo de linfoma em pessoas que têm prótese de silicone. Parece que tecidos texturizados preenchidos com solução salina e silicone seriam o tipo de próteses com maior risco (figura 1), pois agregariam maior número de linfócitos T, em comparação a próteses com superfícies lisas. Esse tipo de linfoma costuma desenvolver-se aproximadamente uma década após a colocação do implante mamário, embora possa ocorrer antes desse período.

Figura 1 – Prótese mamária texturizada.

Sinais e sintomas

A maioria dos casos surge na cicatriz adjacente à prótese; geralmente, o linfoma ocorre em apenas uma das mamas (unilateral), embora raramente possa ocorrer nas duas (bilateral). Em torno de 60-70% das pacientes apresentam derrame (acúmulo de líquido ou seroma) maligno associado à cápsula fibrosa que circunda o implante mamário. Também pode haver a presença de nódulo mamário (30%). O seroma costuma causar edema (ou “inchaço”) da mama e dor. Raramente podem haver pequenas pápulas na pele. Em menos de 20% dos casos pode ocorrer aumento dos linfonodos da axila ipsilateral (aumento das “ínguas”).

Diagnóstico

É necessário fazer ultrassonografia das mamas e análise do líquido mamário (seroma) e da biópsia da cápsula do implante. Após conformação do diagnóstico de linfoma anaplásico de grandes células, deve-se fazer exames para saber se o tumor está confinado à cápsula ou disseminado, chamados exames de estadiamento. Um exame bastante utilizado é o PET-CT (positron emission tomography/computed tomography [PET/CT] scan).

Tratamento

Recomenda-se tratamento cirúrgico em todos os casos, com ressecção do implante, da cápsula e de qualquer massa associada. Para casos onde a doença está localizada na mama, não se recomenda tratamentos oncológicos (quimioterapia e/ou radioterapia) após a cirurgia.

Para pacientes que possuem implantes bilaterais, sugere-se a remoção dos 2 implantes, para evitar recorrência (isto e, retorno da doença) contralateral.

Quando a doença é irressecável (com invasão da parede torácica) ou na presença de linfonodos axilares comprometidos, recomenda-se tratamento com quimioterapia. O prognóstico é pior quando há presença de nódulo, extensão extracapsular ou doença bilateral.

Após o tratamento cirúrgico, não se recomenda colocação de novo implante mamário texturizado.

Marca das próteses

De acordo com publicação do US Food and Drug Administration (https://www.fda.gov/medical-devices/breast-implants/medical-device-reports-breast-implant-associated-anaplastic-large-cell-lymphoma), foram contabilizados 573 casos de linfoma anaplásico associados a implantes mamários no mundo até 6 de julho de 2019; desses, 481 foram atribuídos às próteses da empresa Allergan. Do total de pacientes com a doença, houve 33 mortes. No dia 24 de julho de 2019, a Allegran anunciou o recolhimento voluntário das próteses mamárias e dos expansores de tecido texturizados BIOCELL®

A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) fez recomendações para quem tem próteses mamárias de silicone (http://www.sbmastologia.com.br/noticias/nota-oficial-sobre-proteses-mamarias/), as quais estão resumidas abaixo:
– Não há dados científicos até o presente momento que justifique a troca das próteses da marca ALLERGAN/NATRELLE, sejam elas oriundas de cirurgias estéticas ou reconstrutoras, ou mesmo de mudança de conduta em termos de exames de imagem;
– Pacientes que possuem próteses mamárias (mesmo as Allergan Biocel), mas são assintomáticas não precisam removê-las;
– Apenas as pacientes sintomáticas, ou seja, aquelas com aumento de volume local, necessitam complementar com exames de imagem mais específicos, após consulta médica e orientação individualizada pelo seu cirurgião;
– É interessante que todos as pessoas que estejam considerando o uso de um implante mamário se informem sobre os dados técnicos da prótese, como modelo, marca etc.;
– A SBM recomenda que essas pessoas realizem exames clínicos mamários e exames de imagem regulares de acordo com a orientação do seu mastologista, o que é fundamental e recomendável em mulheres adultas, independentemente de serem ou não portadoras de implantes mamários.

Abaixo, colocamos o comunicado oficial da Allegran (http://portal.anvisa.gov.br/documents/33868/5572650/Comunicado+da+empresa/9700ab33-a10e-45cc-a756-b6813d99cca3):

Allergan anuncia recolhimento voluntário das próteses mamárias e expansores de tecido texturizados BIOCELL®

São Paulo, 24 de julho de 2019 – A Allergan plc (NYSE: AGN) anunciou hoje o recolhimento voluntário, em nível mundial, das próteses mamárias texturizadas e expansores de tecido BIOCELL®. A Allergan está tomando esta providência como precaução após a notificação de informações de segurança recentemente atualizadas sobre a incidência incomum de linfoma anaplásico de grandes células associado ao implante de mama (BIA-ALCL) fornecido pela FDA, agência regulatória americana.

Os implantes mamários e os expansores de tecido texturizados preenchidos com solução salina e silicone BIOCELL® não serão mais distribuídos ou vendidos em nenhum mercado onde estão atualmente disponíveis. A partir de agora, cirurgiões não devem mais utilizar as próteses e expansores de tecido mencionados e todos os produtos em estoque devem ser devolvidos à Allergan. A Allergan fornecerá todas as informações e orientação aos clientes sobre como devolver produtos não utilizados.

A segurança do paciente é uma prioridade para a Allergan. Aconselhamos os pacientes a falarem com seus médicos sobre os riscos e benefícios do seu tipo de implante, caso tenham alguma preocupação.

Importante ressaltar, o FDA e outras autoridades sanitárias não recomendam a remoção ou substituição de implantes mamários ou expansores de tecido texturizados BIOCELL® em pacientes assintomáticos.

No Brasil, o recolhimento voluntário será dos seguintes produtos:

Registro ANVISA Produto
80143600096 Natrelle® Expansor Tissular
80143600100 Natrelle® Implante Mamário Texturizado
80143600102 Natrelle® Implante Mamário Duplo Lúmen

A Allergan está à disposição para esclarecer dúvidas de pacientes e médicos pelo telefone 0800 14 4077, de segunda a sexta, das 8h às 17h.

 


Daniela Dornelles Rosa
Médica Oncologista, PhD
Pós-doutora pela CAPES em Manchester (Reino Unido)
Porto Alegre, RS

Referências

  1. General Information About Adult Non-Hodgkin Lymphoma https://www.cancer.gov/types/lymphoma/patient/adult-nhl-treatment-pdq
  2. Swerdlow SH, Campo E, Pileri S et al. The 2016 revision of the World Health Organization classification of lymphoid neoplasms. Blood 2016;127:2375.
    3. Kim B, Roth C, Chung KC, et al. Anaplastic large cell lymphoma and breast implants: a systematic review. Plast Reconstr Surg 2011; 127:2141.
  3. George EV, Pharm J, Houston C, et al. Breast implant-associated ALK-negative anaplastic large cell lymphoma: a case report and discussion of possible pathogenesis. Int J Clin Exp Pathol 2013; 6:1631.
  4. Bizjak M, Selmi C, Praprotnik S, et al. Silicone implants and lymphoma: The role of inflammation. J Autoimmun 2015; 65:64.
  5. Leberfinger AN, Behar BJ, Williams NC, et al. Breast Implant-Associated Anaplastic Large Cell Lymphoma: A Systematic Review. JAMA Surg 2017; 152:1161.
  6. Hu H, Jacombs A, Vickery K, et al. Chronic biofilm infection in breast implants is associated with an increased T-cell lymphocytic infiltrate: implications for breast implant-associated lymphoma. Plast Reconstr Surg 2015; 135:319.
  7. Brody GS, Deapen D, Taylor CR, et al. Anaplastic large cell lymphoma occurring in women with breast implants: analysis of 173 cases. Plast Reconstr Surg 2015; 135:695.
  8. Olack B, Gupta R, Brooks GS. Anaplastic large cell lymphoma arising in a saline breast implant capsule after tissue expander breast reconstruction. Ann Plast Surg 2007; 59:56.
  9. de Jong D, Vasmel WL, de Boer JP, et al. Anaplastic large-cell lymphoma in women with breast implants. JAMA 2008; 300:2030.
  10. https://www.fda.gov/safety/recalls-market-withdrawals-safety-alerts/allergan-voluntarily-recalls-biocellr-textured-breast-implants-and-tissue-expanders
  11. https://www.fda.gov/news-events/press-announcements/fda-takes-action-protect-patients-risk-certain-textured-breast-implants-requests-allergan
  12. https://www.fda.gov/medical-devices/breast-implants/medical-device-reports-breast-implant-associated-anaplastic-large-cell-lymphoma
  13. de Boer M, van Leeuwen FE, Hauptmann M et al. Breast Implants and the Risk of Anaplastic Large-Cell Lymphoma in the Breast. JAMA Oncol 2018;4:335-341.
  14. McCarthy CM, Horwitz SM. Association of Breast Implants With Anaplastic Large-Cell Lymphoma. JAMA Oncol. 2018;4:341-342.
  15. Doren EL, Miranda RN, Selber JC, et al. U.S. Epidemiology of Breast Implant-Associated Anaplastic Large Cell Lymphoma. Plast Reconstr Surg 2017; 139:1042.
  16. Granados R, Lumbreras EM, Delgado M, et al. Cytological Diagnosis of Bilateral Breast Implant-Associated Lymphoma of the ALK-Negative Anaplastic Large-Cell Type. Clinical Implications of Peri-Implant Breast Seroma Cytological Reporting. Diagn Cytopathol 2016; 44:623.

 


Notice: Undefined variable: nome in /home/infomama/public_html/wp-content/themes/infomama2016/single.php on line 32